04 junho 2014

A problematização do Fator Deus para José Saramago

Por 
DÉBORA MARTINS
Professora, Pesquisadora e Mestranda em Estudos Literários
UFG - Goiânia - GO
debrinhabwg@hotmail.com








A PROBLEMATIZAÇÃO 
DO FATOR DEUS PARA
JOSÉ SARAMAGO

Revisitando a obra e a vida de Saramago, faz-se oportuno colocar em pauta algumas questões. Com uma espontaneidade ímpar este autor faz uma explanação acerca dos acontecimentos encadeados por atitudes da humanidade no texto, “O fator deus”. Na chamativa, o autor envolve o leitor para caminharem juntos na disposição de presenciar as descrições de ocorrências intituladas “Algures”. Nesta apresentação, Saramago põe o leitor atual em períodos distintos, para focalizar em detalhes o imaginário não visto pela ótica presencial, mas pela captação de informação. Assim, o leitor consegue de forma reflexiva visualizar as cenas em questão.

Os dados são categóricos e falam por si mesmos. Os “Algures” são espaços estritamente escolhidas pelo autor,  para divulgar o ser humano e seus impulsos reacionários. O artigo inicia-se com uma indignação do autor pelas tragédias desnecessárias e pela discrepância dos fundamentalistas justificarem que as ações errôneas são em nome de Deus.

Os “Algures” na Índia são apresentados por Saramago, com a presença de um oficial britânico com a sua artilharia se preparando para atirar, e logo a seguir, um campo sanguinário com corpos decepados, como se a vida humana não tivesse importância alguma. 

“Algures” em Angola, dois soldados portugueses erguem um negro quase morto e separam sua cabeça de uma forma natural, expondo a cabeça em um pau, “ato de vanglória”. Esta atitude serve de divertimento para os soldados, pois o negro era um “guerrilheiro”.

Em Israel, no mesmo momento que soldados israelitas imobilizavam um palestino, um outro militar martelava os ossos da mão de um palestino por este estar a jogar pedra.

Estados Unidos da América do Norte, data 11 de setembro: “Algures” jamais esquecido, dois aviões são lançados contra as torres gêmeas e no mesmo estilo, o terceiro avião se adentra no edifício do Pentágono. Ficaram milhares de mortos soterrados nos escombros, sem direito a um velório digno sendo que suas essências pairavam no ar, pois tudo retornou ao nada.

As cenas repetitivas apresentadas demonstram a ação de homens passivos aos ditames de seu líder espiritual. Trata-se de ações humanas pensadas e articuladas por uma mente reacionária. Fica a pergunta: Por que esse absurdo que os leva a raciocinar de tal forma ao ponto de achar que tem algo divino a lhes ordenar a cometer tragédias tão opostas à “vida”? Que monstruoso DEUS é esse que coloca seus filhos em um combate mortal, no qual vence o melhor ou o mais esperto?

Para Saramago, Deus, esse ser inexistente, é inocente de haver criado um universo inteiro para colocar nele seres capazes de cometer crimes para logo vir justificar-se dizendo que são celebrações do seu poder e da sua glória e, portanto, permanecem alheios a todos esses atos justificados por sua vontade, cujo resultado é o amontoado de corpos como troféus para a passagem ao paraíso repleto de gratificações.

A problematização é o “Fator Deus”, que está presente na mente fanática de seus adeptos, os quais criam uma visão distorcida da realidade, fazendo-os cometer as maiores atrocidades em nome do divino, como se estivessem num campo de batalha e fossem soldados lutando por seu país e por uma causa justa. Para o autor, essa é uma criação mental de uma entidade superior a ditar regras de condutas, e é igual em todos os homens seja qual for a religião que professem. Tudo isso tem intoxicado a mente humana e aberto as portas à intolerância mais sórdida.

O autor no seu artigo nos convida a ficar alerta a esse “fator Deus”, numa atitude de desconfiança para não cairmos na armadilha dos inimigos imaginários, criados pelas mentes que se sustentam nos arcabouços da fé, ao traduzir erroneamente textos que por eles são denominados sagrados, inserindo-os em atos de lealdade a seu ser supremo. A partir daí condenam e destroem quem a eles se contrapõem numa atitude contra a liberdade humana de escolher o que quer para si e para sua vida.



BAIXE A EDIÇÃO EM PDF

2 comentários:

MARIA VIRGINIA BOSCO disse...

Li o texto e opino à OPINIAS que percebo que nossos "fundamentalismos" humanos são muitos, heterogêneos, disfarçados e presentes nos simples e diversos campos do dia-a dia, e que se não prontamente identificados e analisados nos conduzem aos enganos do "roubo das consciências", a pior de todas as subtrações humanísticas impostas , cujos resultados ao Homem, ao longo do seu tempo, são drasticamente imensuráveis..
Oremos e vigiemos.

Anônimo disse...

Li cuidadosamente, à atenção que me é devida, o proposto pela jovem mestranda em assuntos literários Débora Martins ao seu texto "A problemitização do Fator Deus" pelo eminente escritor português José Saramago. Sendo esse extinto cidadão escritor ateu, por convicção declarada, não deveria ter enunciado que sendo Deus inexistente, ao mesmo tempo em que declara Ter Ele criado, mercê sua "inocência", um universo inteiro para nele colocar seres capazes de crimes hediondos e, após, chancelar todas essas mortandades em honra ao seu nome, e às quais Ele aprovaria, parece-me discrepância ou do autor Saramago ou da mestranda. Particularmente, creio possamos atribuir ao autor que ao crer Deus um ser inexistente peca por Lhe atribuir a criação desse universo e os atos desumanos de sua prole largada à face do planeta Terra para a prática de absurdos. Li a uma postagem de outro ateu que tudo seria mais conforme se menos gente acreditasse em Deus. Absurda é essa declaração extemporânea. Ao Homem foi dado o Livre Arbítrio. Ou se aceita essa prerrogativa ou se explode todo o globo terrestre e todos os céus prontos a recolherem almas em frangalhos. Leiam o 8° parágrafo do texto acima mencionado.

DIA DO PROFESSOR

Dia dos Professores No dia 15 de outubro, comemora-se em todo o Brasil o Dia do Professor. Nessa ocasião, costuma-se fazer homenagens e...